Estudantes de Engenharia como freelancers

Estudantes de Engenharia como freelancers!

Sabemos que querer e fazer mais do que o “esperado” é importante para muitos estudantes que tem interesse em atuar no mercado antes de se formar, que querem tocar algum tipo de negócio por si, querem levar conhecimento de sala de aula e cursos pra prática, aprender mais engenharia fazendo projetos ou até mesmo colocar no currículo além de claro, ter um pouco mais de liberdade financeira. E esse mais do que esperado tem sido conseguido por muitos através de trabalhos como freelancer.

E o que de fato é um freelancer?

Freelancer é um profissional liberal que trabalha de forma autônoma e presta serviços para empresas ou pessoas por um tempo específico. Ele é favorecido por questões tributárias e pela facilidade de conseguir trabalhos no mercado digital.
Observação: Microempreendedor Individual (MEI),é um tipo de profissional similar ao freelancer, mas a diferença entre os dois, é que o freelancer faz trabalhos esporádicos e o MEI se dedica exclusivamente ao trabalho como autónomo, essa diferença deve ser considerada por questões burocráticas direcionadas a cada tipo de categoria.

É preciso ter diploma para trabalhar como freelancer?

Na maioria dos serviços não é necessário um diploma (por isso é possível o trabalho de freelancer para estudantes), ou seja, para muitos serviços, você não precisa se preocupar com isso, entretanto, em especial para a área de Engenharia, em alguns projetos é necessária a assinatura de uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), por isso, se você ainda é estudante e não um engenheiro formado vinculado ao CREA, deve se certificar de que o serviço que se intende prestar pode ser executado por você, e se não, uma solução seria discutir sobre o projeto com algum professor que possa validar seu projeto através de sua assinatura em uma ART (certamente seria acordado um preço para isso, que se recomenda que você inclua no valor do projeto).

Guia para os freelancers iniciantes:
1° Passo – Determinação de Especialidade

Mesmo que se tenha várias habilidades, possibilidades de atuação no mercado e vontades, é preciso que se tenha um certo foco na hora de escolher com que se vai trabalhar. Abrir várias vertentes, pode ser bem perigoso quando se trata de fazer freelances, a final de contas, muito dos seus clientes vão ser conseguidos através de recomendações, e se você pegou muitos freelas em áreas diferentes, e não conseguiu excelência em alguns deles, é possível que essa recomendação não seja atingida e sua reputação como freelancer prejudicada.Mesmo que se tenha várias habilidades, possibilidades de atuação no mercado e vontades, é preciso que se tenha um certo foco na hora de escolher com que se vai trabalhar. Abrir várias vertentes, pode ser bem perigoso quando se trata de fazer freelances, a final de contas, muito dos seus clientes vão ser conseguidos através de recomendações, e se você pegou muitos freelas em áreas diferentes, e não conseguiu excelência em alguns deles, é possível que essa recomendação não seja atingida e sua reputação como freelancer prejudicada.

Por isso, é recomendável que se faça uma pequena pesquisa de mercado, aproveite o ambiente favorável que é a universidade, onde professores que carregam uma enorme bagagem de conhecimentos e podem ser uma boa fonte de processamento de informações, recolha por opiniões. Se pergunte: o que o mercado mais precisa agora que eu pode oferecer? Como eu vou oferecer isto? Analise o que está faltando e observe seu  diferencial, afinal de contas, a melhor maneira de se manter forte no mercado é sendo único e agregando valor à sua área de atuação.

Veja como você pode estar atuando:

1.Projetista na área de engenharia

Alguns tipos de projetos são bem recorrentes e existe uma grande abertura no mercado para se estar atuando, como por exemplo de modelagem 3D e 2D, elaboração de fichas de fabricação, criação de dispositivos, simulações e análises, Design Industrial, projetos mecânicos em geral, automação, entre outros.Observação: Sempre verificar se o serviço prestado envolve uma necessidade de uma ART.

2.Programador

O programador pode trabalhar com uma série de coisas, pode desenvolver desde o desenvolvimento de aplicativos móveis (Mais comum e por isso, veja mais detalhadamente no próximo tópico), softwares, hardwares, games, back-end, front-end, full stack, programadores executivos e web. Dentro deste último, há ainda diferentes linguagens, como HTML, Java, C++, PHP, Python, Ruby, Perl e .NET.O requisito básico para prestar esse tipo de serviço é, claro, entender de programação, lógica, infraestrutura e banco de dados (que é vista em alguns cursos de engenharia mas se recomenda que seja reforçada em cursos presenciais ou online). Da mesma maneira que as outras profissões que falamos aqui, para trabalhar como programador, não é preciso diploma, mas você precisa entender de linguagens de programação.

3. Desenvolvedor de aplicativo

O desenvolvedor pode tanto desenvolver aplicativos para outras pessoas, marcas e empresas, como desenvolver os próprios aplicativos e vendê-los por conta própria.É possível ganhar dinheiro de 3 formas:- Vendendo (cobrando um preço por download).- Disponibilizando gratuitamente, e vinculando publicidade a ele- Ou vendendo outro produto através do aplicativo.Para seguir essa profissão, só é necessário saber desenvolver aplicativos, não precisa ser formado em nada em específico. Mas é importante ter um bom raciocínio lógico e procurar sempre estar atualizado.

4. Professor

A internet possibilita que profissionais de diversas áreas possam repassar o seu conhecimento sobre o assunto o qual dominam, mesmo à distância através de cursos online, que por sinal são muito utilizados por estudantes de engenharia.O trabalho de um professor pode incluir o ensino de idiomas, disciplinas escolares (No caso de estudantes de engenharia, variam mais entre Matemática, Física e Química para alunos de escolas ou também podem atuar como “monitores particulares” na própria universidade, ensinando assuntos relacionados a cadeiras aprendidas durante o curso) e até mesmo aperfeiçoamento em setor do mercado.

5. Redator Freelancer

O redator trabalha elaborando textos, que pode ser e-books, artigos para sites, blogs e redes sociais. É uma profissão bastante ligada a marketing digitalPara trabalhar como redator freelancer, não é preciso ter nenhuma formação específica. Você precisa saber escrever bem, conhecimento em português, e dependendo do que for escrever, saber fazer pesquisas.É importante que se tenha um portfólio, se você não tem nenhuma experiência na área, faça um blog, e escreva sobre assuntos que te interessam (como assuntos de engenharia que você domina ou que poderiam ser melhor esclarecidos no mercado e que podem ser de interesse por exemplo de empresas da área de engenharia que tem interesse em movimentar seus sites), para que você possa mostrar a maneira como escreve.Habilidades, que podem provocar interesse dos clientes:

• Conhecimento sobre SEO, Search Engine Optimization (ferramenta para otimização de sites).

• Estratégia e traçamento das melhores oportunidades de produção de conteúdo para os clientes (Além de escrever o conteúdo, através de analises do site/plataforma do cliente você define: Tamanho do artigo ideal para o público; Formato do artigo (lista, imagético, infográfico, etc.);

6. Tradutor

Os tradutores são um dos profissionais mais procurados entre os freelancers. Ele pode traduzir textos, documentos, fazer transcrição em outro idioma de palestras e conferências, legendar filmes e séries, e trabalhar como intérprete.Para ser um tradutor freelancer, a maioria das vezes não é exigido que tenha nenhuma formação específica, o que os contratantes olham é o que você já fez.Por isso, se pretende seguir essa carreira, e não fez faculdade de Letras, procure traduzir coisas por conta própria, existe trabalho voluntário de tradução, você também pode legendar vídeos no youtube e coisas do tipo, para poder colocar no seu currículo.Para atuar nessa área, é preciso ter conhecimento em, pelo menos, duas línguas. O português, é claro, e o idioma original do texto. Em um mundo cada vez mais globalizado, várias empresas precisam migrar para o Brasil, o que pode trazer ótimas oportunidades de trabalho.

7. Designer gráfico

O designer gráfico é o profissional que trabalha com a parte visual de um projeto.Esse profissional pode desempenhar muitas atividades, como criar layouts de sites, cartões de visitas, flyers, fazer design de jogos, criar embalagens, estampas de camisetas, animações, editar vídeos e muitas outras coisas.É uma ótima profissão para pessoas criativas e que gostam de resolver problemas.Para ser um designer gráfico também não é necessário possuir um diploma nessa área, mas existem cursos, tanto de graduação quanto cursos técnicos. As imagens personalizadas são cada vez mais requeridas no ambiente de negócios.

2° Passo – Definição de um preço

Depois de definido o ramo de atuação e o público alvo, a próxima etapa pode ser um pouco mais difícil para alguns, as vezes por pouca experiência, estudantes acabam errando na precificação da sua mão de obra, e por isso, se prejudicam.
Para evitar essa situação, novamente a resposta pode estar em uma pequena pesquisa de mercado, algo simples de ser feito, que pode trazer resultados inesperados e uma boa fonte de insumos.

Use e abuse da internet, das pessoas (Professores, Amigos, Pais, vizinhos,
Funcionários da Universidade) e do ambiente á sua volta (universidade, academia, supermercados, praia, entre vários outros variando de acordo com qual é o serviço a ser prestado) avaliando quanto é cobrado pelo serviço que se virá a ser prestado por você.
E não se esqueça, você certamente vai ter custos de execução de alguns projetos e também custos fixos que tem que ser levados em conta. Por isso, se organize, e deixe-os bem descritos, crie uma planilha de precificação à medida que for ganhando experiência com os projetos, para que se possa criar um padrão de gastos que podem ser diluídos entre seus freelas e de preço de projetos.
Isso tudo porque, pedir muito, pode tronar inviável a prática do seu freela e pedir pouco, principalmente no início dessa nova jornada, pode ser uma demonstração de insegurança para com seu potencial e até inexperiência, e não é essa a impressão que se quer passar não é mesmo?!

3° Passo – Apresentação

Este passo ta bem ligado com o passo 5 e vai ser muito importante para a prospecção de clientes.
Se ainda está na universidade, ou é recém-formado, você precisa criar um portfólio que contenha seus melhores trabalhos ou projetos para apresentar aos possíveis clientes. Eles precisam saber quem é você e o valor do seu trabalho. Deixar seus trabalhos em uma página da web podem ser de grande utilidade.
É preciso ser criativo e de alguma forma pensar como marca. O que faz seu trabalho atrativo? Por que você se destaca de outros profissionais que também oferecem o serviço? Com uma presença digital (No Linkedin por exemplo e nas plataformas digitais que você pode conhecer um pouco ma) elaborada você pode atrair clientes.

4° Passo – Busca por primeiros clientes

Uma das formas mais comuns de fazer isso é investir em networking e buscar recomendações de pais e amigos. Por isso, tenha contatos
Um amigo de um amigo está abrindo um restaurante e precisa de alguém que desenhe a identidade visual da marca e toda a papelaria. Ou um amigo começou um negócio de assessoria financeira e precisa criar conteúdos para a internet. Há muitas formas de encontrar possíveis clientes, mas manter uma boa rede de contatos pode facilitar as coisas.
Outra possibilidade são as plataformas especializadas, portais que conectam autônomos e clientes como:

1.Workana
Um espaço digital para conectar os melhores freelancers com os projetos mais interessantes da América Latina, que você pode encontrar como o anúncio abaixo.

Áreas com maior demanda: Redação e Conteúdos, TI e Programação, Design e Multimídia, Marketing e Vendas e claro, engenharia.

Site: https://www.workana.com

2.GetNinjas
Um site para anunciar serviços diversificados, que vão desde aulas de dança e serviços domésticos até consultoria de economia, Modelagem 2D e 3D.
Site: https://www.getninjas.com.br

3.Freelancer.com
Um dos maiores classificados online para encontrar trabalhos (está presente em mais de 248 países e regiões).
Vários ramos e atuação com destaque para programadores, designers e marketing digital Site: https://www.freelancer.com

4.Elance-ODesk
lista 2 milhões de empresas que buscam mais de 2500 habilidades. Uma desvantagem é que o site é todo em inglês. Mas o cadastro não é tão complicado pois ele permite a importação de dados de outros locais como Facebook e LinkedIn.
Boa oportunidade para: programadores, designers, publicitários, tradutores e outros.
A vantagem de alguns desses serviços é facilitar e garantir o pagamento do profissional: a empresa contratante já deposita previamente o valor do serviço na conta do intermediário, que repassará o dinheiro ao freelancer se tudo tiver transcorrido como esperado.
Site: https://www.elance-odesk.com/homepage

5° Passo – Estabelecimento de uma rotina

 

Quando trabalhando com freelas, um dos maiores problemas encontrados é a falta de uma rotina, ambiente e hora predeterminados para trabalho, o que podem resultar em procrastinação e ineficiência.
Por isso, se recomenda que os horários destinados para o trabalho (no caso de estudantes que geralmente são entre brechas de aulas e estudo) sejam predeterminados na semana pra estar dedicando exclusivamente a seus projetos de freelancer (tomando assim, uma ideia mais séria do trabalho), assim como local de atividade (se recomenda um local com poucas distrações como uma biblioteca, que pode ser a da universidade ou um café) e caso se opte por trabalhar em casa, que se estabeleça uma postura formal, com vestimenta adequada, pois é comprovado em alguns estudos características como postura, comportamento e vestimenta por exemplo podem sim influenciar no desempenho de atividades.

 

Estudantes de Engenharia como freelancers

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *